VOCE SABIAS:Que eletronicos não são culpados por DÉFICIT de atenção

VOCE SABIAS:Que eletronicos não são culpados por DÉFICIT de atenção

Julho 30, 2018 0 Por Emanuel Pessoa

Se você costuma acompanhar as notícias, deve saber que há cada vez mais estudos a respeito dos possíveis impactos dos dispositivos eletrônicos na vida dos adolescentes, já que o uso excessivo de telefones e tablets pode causar  insonia , ansiedade, problemas escolares e outros distúrbios.

Recentemente, um estudo apontou que tempo demais utilizando dispositivos eletrônicos — como computadores, smartphones e outros — pode ter relação com o transtorno do déficit de atenção com hiperatividade, também conhecido com ADHD.

Na verdade, esse assunto é uma longa discussão de muito tempo atrás, mas a grande questão é: quanto a tecnologia realmente pode influenciar? Em um estudo publicado pelo Jornal da Associação Médica Americana, foi descoberto que, de fato, há uma relação entre esse transtorno e adolescentes que costumam utilizar dispositivos eletrônicos.

Em aproximadamente 2,5 mil estudantes do ensino médio participantes da pesquisa, aqueles que consumiam vários tipos de mídias digitais tinham o dobro de chances de apresentar sintomas de tal transtorno. Mas, calma! Isso não significa que o problema é o material, muito menos que os pais precisam tirar os celulares de seus filhos.

Para os estudiosos, a resposta ainda não está clara, mas talvez esses sintomas sejam causados simplesmente porque os do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade fazem com que os jovens busquem mais dispositivos digitais — simples assim. É como se as diversas distrações da internet fizessem com que eles tivessem mais dificuldade para manter o foco, desenvolver a paciência e até mesmo trabalhar o controle de impulsos.

Não é a primeira vez que uma mídia digital é relacionada à saúde mental, visto que o Facebook também já foi alvo de discussões parecidas. Há ainda mais fatores em jogo: problemas como pobreza e disfunções na família também estão relacionados ao uso excessivo de dispositivos eletrônicos. No caso dos pais, pode se ter uma boa conversa com os filhos caso surjam preocupações, mas é importante lembrar que diversas questões podem influenciar o problema.